quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Excesso de futuro


Quando eu vejo o dia já passou e eu vivi o amanhã. É possível sim! Dia após dia, viver no futuro e viver no presente. Porém, o passado fica desgastado, o presente borrado e o futuro, bem, o futuro se torna desagradável, pois ele não suporta o peso de nossas expectativas. 

Essa vontade de querer tudo ao mesmo tempo agora, essa ânsia diante de acontecimentos aversivos ou adoráveis. Essa ilusão que a gente cria diante das coisas, nunca é do jeito que a gente acha que vai ser, ás vezes não é tão ruim quanto imaginávamos e também não é tão maravilhosos como pensávamos. 

Esse excesso de futuro, aos pouquinhos, pode ir nos derrubando, quebrando um alicerce aqui e ali. E quando a gente percebe, essa mania de prever tudo que é inesperado, incerto...Acaba por tirar nossa paz. 
Estamos sujeitos a passar por problemas, o que vai fazer a diferença é a forma como lidamos com isso.

Fico pensando como fazer essa vida de "viajante do tempo" melhorar e cheguei a conclusão que não tem resposta certo, não é igual a receita de bolo ou miojo que fica pronto em três minutos. É uma coisa que a gente vai construindo com o passar do tempo, mas pra isso a gente tem que tentar milhares de formas, até achar a forma certinha pra gente. É igual quando saímos procurando o vestido\sapato perfeito. Não vamos a milhares de lojas, pesquisando, olhando e experimentando? Então, poderíamos a fazer a mesma coisa com as nossas vida, vai que numa esquina encontramos algo que solucione nosso problema de "viajantes" e passemos a viver no nosso próprio tempo.

{Texto escrito numa quinta-feira após viver num futuro angustiante}

3 comentários:

Hozana Rodrigues disse...

Eu acredito que tudo tem um tempo certo pra acontecer.Quando a gente tenta fazer as coisas em um tempo diferente, não sai como deveria.

Quando der, visita:
http://www.borboletra.com/

Ooh Jules disse...

Lovely post !
xx Julien

http://oohjules.com

César Sousa disse...

Gostei!

http://abertodemadrugada.blogspot.pt

Postar um comentário

Obrigada pelo seu comentário